Uma bomba para aquecer o final de semana

postado por Cleidiana Ramos @ 2:45 PM
30 de abril de 2010

A seção de vídeos musicais voltou.  Resolvi colocar um que daqui a poquinho vira cult para quem era adolescente nos anos 90: trata-se do clip de  Uma Bomba, sucesso da banda Bragaboys.  O grupo tinha músicas que passeavam do samba reggae ao ritmos latinos, como é o caso da música apresentada no vídeo.

Uma Bomba foi uma espécie de Rebolation da época. Das festas às academias de ginástica tornou-se onipresente.

Não tinha quem não soubesse pelo menos ensaiar alguns desses passos. A diferença é que no lugar de um sexy symbol, como Léo Santana da Parangololé, a Bragaboys tinha três. Tá aí para quem quiser matar a saudade e rir da moda dos anos 90.

Tags: , , , , , , ,

9 Respostas to “Uma bomba para aquecer o final de semana”

  1. Lilica  Says:

    Genteeeeee, curti muito esta década… E dançar a febre “Bomba” era tuuudo de bom!!!!
    Recordar é sempre bommmm!

  2. marília  Says:

    Mano Moreno Muito lindoo!!!!!!!!

  3. josi  Says:

    Dancei muitooo ao som de bombaaaa, uma coisa dessas não podia acabar, alem dessa musica o grupo tinha varias de sucesso, tudo acontecia, vale uma materia por onde eles andam?
    adorei recordar

  4. Laísa  Says:

    que coincidência, fiz essa associação entre “bomba” e “rebolation” ontem à noite com meus amigos!

  5. Dani  Says:

    Muito bom mesmoooo!!! Sempre curti essa turma… desde a época do Bragadá… Fã de carteirinha!!! SEMPRE!!! Sucesso meninos!!!

  6. nanda  Says:

    Muito bom!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Podia ter uma show deles, tenho certeza que ia bombarrrrr!!!!!!!!!!!!

  7. Maria  Says:

    Por onde andammmm???????????? Saudadesss

  8. Cátia Regina  Says:

    Fiquei muito feliz com essa matéria, fui do fã clube dos Bragaboys e eles são nota Mil. Muitas Saudades, Glaubinho, mano e Capitão America. Beijosssssssssssss.

  9. Marcelo  Says:

    Respondendo à Josi, os Bragaboys estão no mesmo lugar onde o Parangolé e vários outros grupos “musicais” do axé estarão daqui a 10 anos: no ostracismo.

Deixe seu comentário