Festa para especiais de A TARDE

postado por Cleidiana Ramos @ 10:39 AM
6 de dezembro de 2012

Meire Oliveira, Maíra Azevedo, Olívia Santana, eu e os vereadores Pedro Godinho e Gilmar Santiago em dia de festa para os cadernos. Foto: Marivaldo Filho/Ascom Câmara Municipal

A noite de ontem foi muito especial para todos nós que construímos os especiais publicados em A TARDE no dia 20 de novembro: uma iniciativa dos vereadores Olívia Santana (PCdoB) e Gilmar Santiago (PT) fez uma homenagem aos cadernos que chegaram este ano ao seu décimo número, na Câmara Municipal.

A sensibilidade dos vereadores em reconhecer a metodologia especial desses cadernos e sua preocupação pedagógica ao trazer dicas para aplicação em sala de aula, carinhosamente preparadas pela professora Josiane Clímaco, para nós foi um presente. A longevidade desses cadernos é uma mostra também do compromisso de A TARDE com a responsabilidade social ao produzir um material voltado para o combate ao racismo e outras formas de produção de desigualdade.

A noite já começou especial com uma linda apresentação de Matheus Aleluia, seguida pelas belas vozes de Claudia Costa e Andreia Neri. Enfim, um dia para a gente guardar na moldura dos momentos inesquecíveis que esses cadernos têm produzido.


Encontro discute situação dos quilombos

postado por Cleidiana Ramos @ 2:23 PM
26 de novembro de 2010

Quilombos, como o de Tijuaçu, é tema de encontro internacional. Foto: Patrícia Navarro | Divulgação| 16.07.2010

Também na terça-feira acontece às 18 horas na Reitoria da Ufba, a abertura do seminário Quilombos das Américas, que tem como referência a Conveção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), a Declaração de Durban e o Plano de Ação da III Conferência Mundial de Combate ao Racismo, Descriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlata, ocorrida em 2001, dentre outros critérios e tratados internacionais.

O encontro vai acontecer em Salvador, na Ufba e no Gran Hotel Stella Maris, reunindo representantes do Brasil e de outros países americanos. O encontro vai até o dia 2 de dezembro.

O seminário é organizado pela Secetaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Além disso há o apoio da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores (ABC/MRE),Secretaria Geral Ibero-americana (Segib), Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA) e Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a mulher (Unifem). 

Para conferir a programação e outras informações clique aqui.


Dia de festa com consciência

postado por Cleidiana Ramos @ 4:49 PM
19 de novembro de 2010

Marchas em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra vão tomar a cidade. Foto: Carlos Casaes|Ag A TARDE|20.11.2002.

Tem agenda para todos os gostos e lutas tanto no sábado, domingo e ainda pelo próximo mês como extensão da festa para homenagear a memória de Zumbi. Este é um resumo das muitas atividades de amanhã e domingo:

Durante a manhã tem o fórum sobre diversidade com ênfase no Selo da Diversidade Racial da Prefeitura de Salvador. O encontro será no auditório do Isba em Ondina. Em seguida, às 10 horas, tem café da manhã no Terreiro Bogum e homenagem a lideranças negras com depósito de flores no busto em honra de Mãe Ruinhó, no final de linha do Engenho Velho da Federação. Ao meio-dia Alaíde do Feijão será homeangeada com um almoço em seu restaurante no Pelourinho. Estas atividades são promovidas pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur).

Às 13 horas, na Praça da Sé, acontece a II Lavagem da Estátua de Zumbi, organizada pela Unegro e outras associações. O evento inclui shows de Juliana Ribeiro e Lazzo.

É dia também das tradicionais marchas. A organizada pelo Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) vai sair do Campo Grande, às 16 horas, mas a concentração já começa duas horas antes. Essa é a 31ª edição da marcha e o homenageado será o marinheiro João Cândido, herói do movimento conhecido como Revolta da Chibata, um motim ocorrido no Rio de Janeiro em 1910. Dois mil marinheiros negros levantaram-se contra as punições que lhes eram impostas pela Marinha como ser obrigados a consumir comida estragada e receber chicotadas. Todos foram expulsos dos quadros militares, presos ou mortos. Em 2008, foi aprovada uma lei que concedeu anistia póstuma a João Cândido e outros participantes da revolta, mas seus descendentes diretos não receberam indenização.

Também amanhã, com saída às 16 horas, tem a caminhada da Liberdade, organizada pelo Fórum de Entidades Negras e com a participação de blocos afro como Os Negões e o Ilê Aiyê. A caminhada segue para o Centro Histórico.

No domingo, o povo de santo realiza a 6ª Caminhada pela Vida e contra a intolerância religiosa. A saída será às 9 horas do final de linha do Engenho Velho da Federação. A caminhada é organizada pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN) e segue em direção ao Dique do Tororó.

Às 12 horas, na Praça das Artes, Pelourinho, acontece o Momento Dandara, uma programação que inclui culinária e música, organizada pela Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) com apoio da Secretaria Estadual de Cultura (Secult), através do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac/Pelourinho Cultural).

O título do evento é uma referência à heroína Dandara. A microempresária Aidil Moreira, mais conhecida como Ginga, e a sambista Gal do Beco serão homenageadas. A entrada é gratuita


Consciência Negra 2009: Apoio pedagógico

postado por Cleidiana Ramos @ 1:27 PM
21 de novembro de 2009

Tem novidades sobre conteúdo integrado. Aí abaixo vocês podem conferir artigo do professor Vilson Caetano sobre a culinária afro-brasileira.

Os empreendimentos que giram em torno dela foi um dos temas abordados no especial Produtores de Owó que circulou no jornal A TARDE, ontem, em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra.

O meu objetivo em continuar publicando artigos relacionados ao caderno especial é para auxiliar professores na aplicação da Lei 10.639/03 que prevê o ensino de História da África e Cultura Afro-brasileira em todos as escolas brasileiras.


Consciência Negra 2009: Moda afro na área

postado por Cleidiana Ramos @ 11:23 PM
20 de novembro de 2009
A partir da esquerda, no sentido horário: Madá Preta, Saraí Reis, Meire Oliveira e Jaime Sodré. Foto: João Alvarez|AG. A TARDE

A partir da esquerda, no sentido horário: Madá Preta, Saraí Reis, Meire Oliveira e Jaime Sodré. Foto: João Alvarez|AG. A TARDE

Tem mais conteúdo integrado sobre o caderno especial Produtores de Owó, produzido pelo jornal A TARDE em comemoração ao Dia Nacional da Consciência Negra.

Neste áudio o bate-papo é sobre moda com a participação das estilistas Madá Preta, Saraí Reis e do professor Jaime Sodré.

Para os que conhecem apenas a faceta de Jaime como historiador é a oportunidade de ouvi-lo falando sobre uma das suas formações: design. Neste campo, claro, ele também dá show. É só clicar aqui para ouvir a primeira parte da entrevista e aqui para escutar a segunda. 


Consciência Negra 2009: As mãos de Célia

postado por Cleidiana Ramos @ 11:35 AM
20 de novembro de 2009
Célia Damascena Souza gerencia dois boxes no Mercado Modelo. Foto: Haroldo Abrantes

Célia Damascena Souza gerencia dois boxes no Mercado Modelo. Foto: Haroldo Abrantes

O caderno especial Produtores de Owó, que traça o panorama do empreendedorismo negro na capital da Bahia, já está circulando na edição de hoje do jornal A TARDE. Aqui no Mundo Afro vocês sempre vão estar encontrando complementos sobre o conteúdo que abordamos no especial.

Conheçam agora, portanto, a dona das mãos que aparecem na capa do caderno e também na primeira página de A TARDE:  Célia Damascena de Souza. De funcionária de um dos boxes do Mercado Modelo,ela se tornou proprietária de dois estabelecimentos situados no local e que comercializa esculturas e jóias inspiradas na cultura afro-brasileira.


Consciência Negra 2009: Salvador em festa

postado por Cleidiana Ramos @ 5:45 PM
19 de novembro de 2009

Presidente Lula participa das comemorações ao 20 de novembro em Salvador.Foto: AP Photo|Riccardo De Luca

Presidente Lula participa das comemorações ao 20 de novembro em Salvador.Foto: AP Photo|Riccardo De Luca

Passeio pela História

A partir das 11 horas de amanhã, no Palácio Arquiepiscopal (Praça da Sé) estará sendo inaugurada a exposição Para que não esqueçamos: o triunfo sobre a escravidão. A exposição foi doada à Fundação Pedro Calmon pela Unesco/ONU. A cerimônia terá a participação da banda Tambores da Raça, do compositor Adailton Poesia, da Banda Erê do Ilê Aiyê e do Grupo de Dança São Gonçalo.

A mostra é formada por 32 painéis ilustrativos com textos em português e inglês onde são retratadas imagens do povo negro e também as atrocidades cometidas pela escravidão.

A Fundação Pedro Calmon acrescentou à exposição a relação das 31 rebeliões escravas ocorridas na Bahia, no período que vai de 1807 a 1837, reveladas nas pesquisas do historiador João José Reis.Também será possível conferir a localização das comunidades remanescentes de quilombos espalhadas pela Bahia.

A exposição segue até o dia 4 do próximo mês e a entrada é gratuita. O objetivo do projeto é receber estudantes de escolas públicas de Salvador. No local serão realizadas palestras, exibição de filmes e atividades recreativas na Biblioteca Móvel. Uma equipe de bibliotecárias e arte educadoras vão estar orientado os trabalhos. A parceria da Fundação com o Ceafro possibilitou a participação de 18 estudantes cotistas da Ufba como monitores da exposição.

Lavagem aos pés de Zumbi

A partir das 13 horas, também na Praça da Sé, a Unegro, Olodum,  Male De Balê,  Muzenza,  Grucon e Associação das Baianas de Acarajé, Vendedoras de Mingau e Similares (Abam) realizam um ato público. A manifestação está sendo chamada de I Lavagem da Imagem de Zumbi dos Palmares.

O objetivo é chamar a atenção dos poderes públicos para adotar melhores cuidados com o monumento a Zumbi. Da Praça da Sé, o grupo segue para o Campo Grande onde vão ser apresentadas, em forma de manifesto público, as reivindicações de entidades do movimento negro baiano.

Marchas

Atenção quem vai participar das duas mais tradicionais marchas das da Consciência Negra:  a organizada pela Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) sai do Campo Grande às 14 horas.

Já a patrocinada pelo Fórum de Entidades Negras sai da Liberdade às 15 horas. Todas as duas se dirigem para a Praça Castro Alves onde a partir das 14 horas acontece o ato público organizado pela Seppir, que vai contar com a participação do presidente Lula.

O presidente vai receber, durante a cerimônia, a Medalha Zumbi dos Palmares, condecoração da Câmara Municipal de Salvador. A homenagem foi proposta pela Conen e acolhida pelos vereadores.


Esforço zumbírico

postado por Cleidiana Ramos @ 3:25 PM
28 de outubro de 2009
Encontro com o movimento negro inspirou o governador. Foto: Fernando Vivas | AG. A TARDE

Encontro com o movimento negro inspirou o governador. Foto: Fernando Vivas | AG. A TARDE

Em meio aos problemas espinhosos do debate pré-eleitoral e os  próprios de quem foi pedra e agora é vidraça, afinal passou anos fazendo oposição, eis que descubro que o governador Jaques Wagner consegue conservar o bom  humor e, além disso, o está adequando à realidade histórico-cultural baiana.

O meu colega repórter, Nelson Barros Neto, me contou uma história ótima. Num encontro de governo esta semana,  Wagner elogiou o trabalho do secretário estadual de Turismo, Domingos Leonelli e disse:

-Ele está fazendo um trabalho hercúleo.

Pensou um pouco e, imediatamente, se corrigiu.

-Hércules não. Acabo de chegar de um encontro com o pessoal do movimento negro para discutir os preparativos para o 20 de novembro.Então, Zumbi é melhor. É um esforço “zumbírico”.

Taí uma nova expressão para o vocabulário.

 


Educaxé- O negro e a Política- Parte VIII

postado por Cleidiana Ramos @ 3:14 PM
1 de setembro de 2009
Tiradentes passou de rebelde a herói nacional e, na Bahia, patrono da Polícia Militar. Foto: Xando Pereira| AG. A TARDE

Tiradentes passou de rebelde a herói nacional e patrono da Polícia Militar. Foto: Xando Pereira| AG. A TARDE

Tiradentes e os Afrodescendentes

Jaime Sodré

Os feriados registram momentos históricos, outrora plenos de significados e reflexões. Hoje é, para alguns, um “domingo” de meio de semana. 21 de Abril de 1792 lembra o sacrifício de Tiradentes, feriado nacional. É interessante a sua evolução de herói sem rosto à imagem de Cristo, como aborda Maria Alice Milliet.  Os “inconfidentes” dividiam-se quanto ao tratamento da “questão da escravidão”. Historiadores dizem que apenas Gonzaga defendia a libertação dos cativos, desde que nascidos no Brasil. Deste modo, estaria inaugurada a categoria de “afro-brasileiros”, mas sem vantagens econômicas e sociais.

A questão da escravidão era um ponto contraditório. Como iriam libertar logo aqueles que geravam as suas riquezas?  Mais tarde, o movimento abolicionista incorpora Tiradentes no ideário libertário da escravatura. O reconhecimento dos negros viria na forma carnavalesca, através do Grêmio Recreativo Escola de Samba Império Serrano, gerando o inesquecível samba Exaltação a Tiradentes, de autoria de Mano Décio, Estanislau Silva e Penteado, uma pérola de síntese, se o elevarmos à “categoria de brevíssima tese acadêmica”: “Joaquim José da Silva Xavier morreu a 21 de Abril pela Independência do Brasil, foi traído e não traiu jamais a Inconfidência de Minas Gerais…” Breque.

Abortada a “conspiração”, presos e julgados os envolvidos, caberia a Tiradentes a culpa maior, revela os Autos da Devassa da Inconfidência de Minas e a sentença da Alçada. Ouviram-se graças a Deus pela descoberta da “conjura”, considerada uma injúria à soberana, pia e clemente, D. Maria.

Frei Raimundo de Penaforte, do convento franciscano de Santo Antonio, assistiu ao condenado, fervoroso católico, que foi enforcado e esquartejado diante de uma multidão que o viu passar sem queixume ou temor, “fronte de soldado que se sacrificara pela pátria”. Fatos relatados por um anônimo na  Memória do êxito que teve a Conjuração de Minas.

Louvores à Rainha por comutar as penas dos demais condenados. Quanto a Tiradentes, teria aceitado com serenidade o seu destino. Em sua beatitude, pede perdão aos companheiros, beija as mãos e os pés do carrasco e caminha para a forca com ar de resignado, faz solilóquios tendo às mãos um crucifixo.

Para os futuros republicanos, este ato não inaugurava um herói cívico e, sim, um mártir cristão. Disputas históricas resultam em antagonismos. As discussões giravam em torno do papel do alferes e do movimento revolucionário. Alguns alegavam que este acontecimento não passou de uma idéia generosa na sua essência, mas mesquinha enquanto à forma. Uma boa intenção abortada. Sobre Joaquim José este não passava de um homem que não morreu como um patriota, com olhar triunfante para os seus algozes, com coragem e sem culpa. Teria Tiradentes, devoto que fora da Santíssima Trindade, sugerido a incorporação do triângulo à bandeira dos inconfidentes? Ou seria uma referência maçônica?

O certo é que a fusão na figura do herói de civismo e religiosidade estaria bem ao gosto da empatia popular. O fato é que a Conjuração Mineira e o martírio de Tiradentes geraram consequências históricas, no mínimo, estimulando um crescente nacionalismo, desejo de liberdade, independência, e alerta quanto à exploração colonial. Tiradentes era o patriota consciente, “que dá a sua vida por uma ideal”. O cristão e o revolucionário não são incompatíveis, convivem na imagem do herói.

Surgiriam outros movimentos emancipacionistas, antagônicos aos poderosos e não simples agentes da discórdia. Castro Alves proclama: Ei-lo, o gigante da praça/ o Cristo da multidão/ é Tiradentes que passa, deixem passar o Titão… mais tarde pende no alto seu corpo a rodar, balançante, e no outro dia, a sua cabeça encima um poste, no centro da praça, e seu corpo dilacerado. Estava assim reduzido o idealista alferes.

Gradualmente, a comemoração do dia 21 de abril foi generalizando-se. Em Tiradentes reluz a aurora do sacrifício heróico, pela liberdade e república. Figura nos manuais de história. A lei 7.919, de dezembro de 1889, aprova  Tiradentes como herói nacional, mas Deodoro, por ter sido militar, encontra resistência entre os congressistas. Hoje, sobrevive, no Livro de Aço dos Heróis Nacionais, Tiradentes junto a Zumbi dos Palmares. 

Perguntas para aprofundar a pesquisa sobre o tema:

O que foi a Inconfidência Mineira?

Qual o contexto da Proclamação da República no Brasil?

Quem foi Zumbi dos Palmares?

Jaime Sodré é historiador, professor e religioso do candomblé.