Ministério e secretarias começam ano com novos gestores

postado por Cleidiana Ramos @ 11:39 AM
5 de janeiro de 2015
Nilma Gomes é a nova titular da Seppir; Vera Lúcia dirige a Sepromi; Olívia Santa é secretária de Política para as Mulheres e Jorge Portugal assumiu a Secult. Fotos: Divulgação; Carol Garcia / GovBa; Edilson Lima / Ag. A TARDE/ 02.03. 2014; Claudionor Junior / Ag. A TARDE/ 23.02.2010

Nilma Gomes é a nova titular da Seppir; Vera Lúcia dirige a Sepromi; Olívia Santana é secretária de Política para as Mulheres e Jorge Portugal assumiu a Secult. Fotos: Divulgação; Carol Garcia / GovBa; Edilson Lima / Ag. A TARDE/ 02.03. 2014; Claudionor Junior / Ag. A TARDE/ 23.02.2010

As gestões públicas federal e estadual começam o ano com novos titulares no ministério e secretarias que são cruciais nas  políticas voltadas para a população negra.

A nova titular da Secretaria Especial de Políticas para a Promoção da Igualdade Racial (Seppir), que tem status de ministério, é a mineira Nilma Lino Gomes. A ministra é pedagoga, mestra em educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), doutora em antropologia social pela Universidade de São Paulo (USP)  e pós-doutora em sociologia pela Universidade de Coimbra, Portugal.

Professora da UFMG e pesquisadora da área de relações étnico-raciais, Nilma foi a primeira mulher negra a chefiar uma universidade federal brasileira: a Unilab (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira), que, inclusive, tem um campus na Bahia, em São Francisco do Conde.

A Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) tem como nova titular a ex-dirigente nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), Vera Lúcia Barbosa. Natural de Eunapólis, cidade localizada no extremo sul da Bahia, Lucinha como também é chamada pelos movimentos sociais, foi titular da Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres (SPM), durante o governo Wagner.

A SPM será dirigida por Olívia Santana, que vem da militância histórica do movimento negro. Fundadora da Unegro e filiada ao PCdoB, Olívia já foi secretária municipal de Educação, quando adotou como principal política a operacionalização da Lei 10.639/2003, que estabelece o ensino de História da África e Cultura Afro-Brasileira;  ocupou também uma vaga na Câmara de Salvador e em 2012 concorreu como vice na chapa encabeçada por Nelson Pelegrino para prefeito da capital baiana.

Já a pasta estadual de Cultura (Secult) tem Jorge Portugal. Professor conhecido por suas aulas lúdicas, o novo secretário tem dito que sua principal missão será fazer uma interação entre as ações culturais e  educacionais.

Boa sorte aos novos gestores e que eles tenham uma atuação que renda bastante conteúdo positivo para o Mundo Afro, ou seja, notícias que a gente publica com o coração em festa.


Nafro comemora seu sexto aniversário

postado por Cleidiana Ramos @ 5:41 PM
20 de outubro de 2011

Nafro PM comemora mais um ano de atividades. Foto: Eduardo Martins/Ag. A TARDE/ 04.07.2006

Amanhã, a partir das 16 horas, no Quartel do Comando Geral, Largo dos Aflitos, acontecerá a comemoração dos seis anos de criação do Núcleo Afro da Polícia Militar (Nafro-PM). A data será marcada por uma cerimônia religiosa de matriz africana.

O evento terá a participação do coronel Alfredo Castro, comandante geral da Polícia Militar (PM); do secretário estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Elias Sampaio; do secretário municipal da Reparação, Ailton Fereira; de representantes dos terreiros de Salvador e de ONGs.

O Nafro-PM tornou-se uma referência. Surgido a partir do questionamento de religiosos de matriz africana da corporação por não possuir representatividade num seminário temático, o grupo já serviu de inspiração para organizações semelhantes no Exército e na PM de São Paulo. Portanto, é mais do que motivo para comemorar.


Missa em memória de Abdias

postado por Cleidiana Ramos @ 3:00 PM
27 de maio de 2011

Missa faz homenagem a Abdias. Foto: Elói Corrêa | Ag. A TARDE| 30.02.2005

Na próxima segunda-feira, às 9 horas, na Igreja do Carmo, no Centro Histórico de Salvador, acontece a missa de sétimo dia em memória de Abdias do Nascimento.

A missa está sendo promovida pela Sepromi, Fundação Pedro Calmon, Semur e  Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.   É uma homenagem ao grande mestre que acaba de partir.


Exclusivo: Entrevista com novo titular da Sepromi

postado por Cleidiana Ramos @ 4:01 PM
5 de maio de 2011

Elias Sampaio é o novo secretário de Promoção da Igualdade. Foto:Marco Aurélio Martins| Ag. A TARDE| 08.07.2006

Acabou a novela. Agora é oficial. Depois de várias especulações,  Elias Sampaio é o novo titular da Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade  (Sepromi). O Mundo Afro traz, em primeira mão,uma entrevista com o novo titular da pasta que estava sendo comandada, interinamente, desde a ida da ministra Luiza Bairros para a Seppir. A nomeação foi feita ontem e a posse será amanhã, mas em uma cerimônia no âmbito do governo. O novo secretário tem 44 anos, é economista, doutor em Administração Pública,  mestre em Economia, professor da Uneb e x-diretor-presidente da Prodeb. Já ocupou também o posto de sub-secretário municipal da Reparação.

Qual a principal prioridade da sua gestão?
É dar continuidade ao trabalho que a Sepromi vem fazendo de consolidação da secretaria como sendo uma das principais para o trabalho de inclusão do governo Wagner. Temos também como fundamental a articulação com a Seppir.Eu vejo, por exemplo, esse trabalho de erradicação da pobreza do governo federal como algo que fundamentalmente passa pela questão do combate à desigualdade racial.

Como o Sr. vê o desmembramento do setor de política das mulheres da Sepromi e a criação de uma secretaria específica para esta questão?
O governo do Estado agiu de forma acertada. Essa já era uma demanda do movimento de mulheres e existia o compromisso de criar uma secretaria específica para essa fim. A Sepromi passa a ter esse foco de combate às desigualdades raciais. Ela perde a superintendência de mulheres, mas ganha a Coordenação Executiva para Povos Tradicionais que tem o objetivo de trazer todos aqueles que não estão contemplados em políticas públicas. É um grande ganho.

Inclusive, uma crítica feita por alguns setores dos movimentos sociais é a de que ao ter como foco a população negra, que é majoritária no Estado, deixava-se de lado outras etnias.
Mas a orientação do governo é que a Sepromi deve fazer a inclusão de todos atingidos pela desigualdade. Precisamos ter diálogo com todos, afinal o nosso objetivo é o de cidadania plena. Estamos em um processo de desenvolvimento econômico que não pode deixar ninguém para trás.

Secretário, por que demorou-se tanto para chegar à sua nomeação?
Para mim não houve demora. Essa decisão sobre a Sepromi já havia sido tomada. Eu não acho que houve novela, como você diz (risos). Eu estava presidindo uma grande empresa (a Prodeb) e tinha, claro, que se evitar especulação ou criar instabilidade. Mas tudo estava definido. Precisávamos também aguardar a reforma administrativa que incluía a criação da Secretaria de Promoção de Políticas para as Mulheres, pois o nosso entendimento é que só teria sentido um homem ser titular da Sepromi quando a questão de gênero tivesse a sua independência, pois do contrário seria uma contradição. Tanto é que, até o momento, a interinidade estava com a competente Vanda Sá que fez um excelente trabalho. Às vezes as pessoas desconhecem os detalhes com os quais se precisa ter cuidado em um ambiente de governo


Sepromi está repartida

postado por Cleidiana Ramos @ 1:47 PM
17 de fevereiro de 2011

Governador Jaques Wagner anunciou criação de nova secretaria. Foto: Mila Cordeiro | Ag. A TARDE

E lá vai mais um episódio da novela Sepromi: em pronunciamento à Assembleia Legislativa, na última terça-feira, o governador Jaques Wagner anunciou que a superintendência de mulheres será desmembrada da Sepromi dando origem a uma nova secretaria.

Dessa forma, a Sepromi ficará exclusivamente com a questão étnico-racial.

Mas nome do titular ou da titula da pasta, quase três meses depois da renovação de mandato do governador, ainda não foi anunciado.


Mais um ingrediente na novela Sepromi

postado por Cleidiana Ramos @ 5:04 PM
14 de fevereiro de 2011

Elias Sampaio é o novo cotado para comandar a Sepromi. Foto: Xando Pereira|17.05.2005

A sucessão da Sepromi já deixou de ser novela e virou aquelas séries amerianas que levam anos no ar, tipo a clássica Dallas. Nada de anúncio oficial até agora e, tem mais um nome na jogada: Elias Sampaio.

Elias, já foi sub-secretário municipal da Reparação durante a gestão de Gilmar Santiago. Da Semur foi comandar a Prodeb, órgão do governo do Estado.

Diz uma fonte inteirada das nuances do poder que é um nome fortíssimo e com muitas chances de emplacar, pois a Prodeb está migrando para o comando do PDT e, Elias, sempre foi ligado ao PT e também  a Luiz Alberto que já ganhou na queda-de-braço pela Sepromi na primeira gestão Wagner e conquistou uma importante vitória ao ver Luiza Bairros, sua aliada histórica na militância, tornar-se titular da Seppir.

Se a nomeação de Elias, que é um excelente economista, com uma brilhante carreira acadêmica e acumula acertos como gestor público, realmente confirmar-se-se , Luiz Alberto sai extremamente fortalecido politicamente.


Mais especulações sobre secretariado de Wagner

postado por Cleidiana Ramos @ 1:00 PM
17 de janeiro de 2011

Governador Jaques Wagner ainda não definiu novo secretariado. Foto: Lúcio Távora | Ag. A TARDE

Continua a novela das especulações sobre o novo secretariado do governo Wagner. Enquanto os nomes, dizem pessoas próximas ao governador, estão trancados a sete chaves, o disse-me-disse corre solto.

Havia escrito aqui sobre a Sepromi, citando os nomes de Olívia Santana e Sílvio Humberto. Soube de outra candidata considerada a mais forte dos três: Valdecy Nascimento, que é a atual superintendente de política para as mulheres da Sepromi.

O nome agrada setores da militância e também do PT, que até aqui tem sido o partido contemplado nas nomeações para a secretaria. Há também muita especulação em relação à Cultura. Até agora, talvez tenha sido esta a secretaria com mais nomes incluídos na bolsa de apostas.

Mas o que realmente ganhou maior repercussão com indícios de certeza foi o do professor da Faculdade de Comunicação da Ufba (Facom), Albino Rubim.

Com essa indicação considerada favas contadas, eis que fiquei sabendo que setores do PT estão se movimentando com suas indicações, dentre as quais  a do doutor em história e diretor da Fundação Pedro Calmon, Ubiratan Castro e do professor e apresentador, Jorge Portugal. O nome de Olívia Santana também corre por fora.

Enfim, vamos aguardar que o governador anuncie todos estes nomes acabando com o suspense que já está ficando incômodo, afinal as secretarias tem funções a cumprir.


O sim de Luiza

postado por Cleidiana Ramos @ 9:32 PM
10 de dezembro de 2010

Presidente convidou e Luiza teria dado sim, segundo rumores. Foto: Gildo Lima | Ag. A TARDE

Já circula a notícia por agências de notícias: Dilma Rousseff convidou e Luiza Bairros aceitou o posto de titular da Seppir.

Reviravolta na ida que já era dada como certa de Vicentinho, ex-presidente da CUT, para o posto.

Segundo as notícias, Luiza Bairros condicionou o sim à escuta de segmentos dos movimentos negros.

Leiam mais sobre o assunto na edição de amanhã de A TARDE.


Bahia na Seppir?

postado por Cleidiana Ramos @ 5:12 PM
2 de dezembro de 2010

Arany Santana e Luiza Bairros são apontadas como ministeriáveis da Seppir. Fotos: Rita Tavares | Divulgação e Xando Pereira |Ag. A TARDE

O boato é a alma da política e do jornalismo também, pois boa parte do nosso tempo é usado para apurar o que a gente ouviu dizer. E quer época mais propícia para o boato do que a iminência de formação de ministério ou secretariado?

Pois bem. Temos na Bahia dois nomes ventilados para a Seppir: Luiza Bairros e Arany Santana.

As duas preenchem o critério da “feminilização” do ministério desejado pela presidente Dilma Rousseff e ambas tem bagagem de sobra, com currículos extensos que comprovam a sua capacidade. Além disso, ambas tem experiência em gestão.

Luiza é a atual secretária estadual de Promoção da Igualdade e Arany está titular da pasta estadual de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza.

Nos círculos próximos às duas ninguém confirma, mas também não desmente. A resposta mais emblemática é um meio sorriso misterioso, acompanhado de um “quem sabe?”

Como sei que esse é um tema apaixonante e divide opiniões mil, o espaço aqui comporta o debate, mas dentro da civilidade, como, ainda bem, é o caso da maioria de quem comenta aqui no Mundo Afro. Os desrespeitosos não têm vez, afinal quem não sabe conversar deve ficar em silêncio.


Dia de festa com consciência

postado por Cleidiana Ramos @ 4:49 PM
19 de novembro de 2010

Marchas em homenagem ao Dia Nacional da Consciência Negra vão tomar a cidade. Foto: Carlos Casaes|Ag A TARDE|20.11.2002.

Tem agenda para todos os gostos e lutas tanto no sábado, domingo e ainda pelo próximo mês como extensão da festa para homenagear a memória de Zumbi. Este é um resumo das muitas atividades de amanhã e domingo:

Durante a manhã tem o fórum sobre diversidade com ênfase no Selo da Diversidade Racial da Prefeitura de Salvador. O encontro será no auditório do Isba em Ondina. Em seguida, às 10 horas, tem café da manhã no Terreiro Bogum e homenagem a lideranças negras com depósito de flores no busto em honra de Mãe Ruinhó, no final de linha do Engenho Velho da Federação. Ao meio-dia Alaíde do Feijão será homeangeada com um almoço em seu restaurante no Pelourinho. Estas atividades são promovidas pela Secretaria Municipal da Reparação (Semur).

Às 13 horas, na Praça da Sé, acontece a II Lavagem da Estátua de Zumbi, organizada pela Unegro e outras associações. O evento inclui shows de Juliana Ribeiro e Lazzo.

É dia também das tradicionais marchas. A organizada pelo Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen) vai sair do Campo Grande, às 16 horas, mas a concentração já começa duas horas antes. Essa é a 31ª edição da marcha e o homenageado será o marinheiro João Cândido, herói do movimento conhecido como Revolta da Chibata, um motim ocorrido no Rio de Janeiro em 1910. Dois mil marinheiros negros levantaram-se contra as punições que lhes eram impostas pela Marinha como ser obrigados a consumir comida estragada e receber chicotadas. Todos foram expulsos dos quadros militares, presos ou mortos. Em 2008, foi aprovada uma lei que concedeu anistia póstuma a João Cândido e outros participantes da revolta, mas seus descendentes diretos não receberam indenização.

Também amanhã, com saída às 16 horas, tem a caminhada da Liberdade, organizada pelo Fórum de Entidades Negras e com a participação de blocos afro como Os Negões e o Ilê Aiyê. A caminhada segue para o Centro Histórico.

No domingo, o povo de santo realiza a 6ª Caminhada pela Vida e contra a intolerância religiosa. A saída será às 9 horas do final de linha do Engenho Velho da Federação. A caminhada é organizada pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN) e segue em direção ao Dique do Tororó.

Às 12 horas, na Praça das Artes, Pelourinho, acontece o Momento Dandara, uma programação que inclui culinária e música, organizada pela Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) com apoio da Secretaria Estadual de Cultura (Secult), através do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac/Pelourinho Cultural).

O título do evento é uma referência à heroína Dandara. A microempresária Aidil Moreira, mais conhecida como Ginga, e a sambista Gal do Beco serão homenageadas. A entrada é gratuita


Peças de cultura e religião afro vão sair do DPT

postado por Cleidiana Ramos @ 4:50 PM
20 de julho de 2010

As peças ligadas à religião e cultura afro que estão sob a guarda do Departamento de Polícia Tecnica (DPT) não vão ser mais exibidas no Museu Estácio de Lima pertencente à institiuição.

A Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) já determinou o início do inventário das peças e vão ser realizados estudos para determinar a sua procedência.

O governo estadual tomou esta medida, após publicação de uma matéria assinada por mim e veiculada na edição de domingo do jornal A TARDE contando sobre o retorno de peças para o DPT. Os artefatos  estavam no Museu da Cidade desde 1997 por recomendação do Ministério Público.

Isto porque elas ficavam ao lado de um acervo formado por peças como feto de duas cabeças e armas de crimes. Até 1971 as cabeças degoladas de cangaceiros como Lampião e Maria Bonita faziam parte do acervo.

De acordo com o que consegui apurar as peças retornaram para o DPT por força de uma liminar conseguida pela ex-diretora do órgão, Maria Theresa Pacheco que faleceu em maio deste ano.

O movimento para a retirada de peças foi liderado por pessoas como o doutor em antropologia e ogã da Casa Branca, Ordep Serra, o saudoso ogã do terreiro Agnelo Pereira e representantes da ong Koinonia.

Vale destacar que os primeiros estudos sobre candomblé foram feitos por médicos, geralmente professores da Faculdade de Medicina da Bahia, como Nina Rodrigues e Estácio de Lima. Eles consideravam esta religião uma patologia.

Daí a gravidade dessas peças voltarem para o mesmo ambiente de medicina legal onde eles militaram e defenderam posições como essas que reforçam preconceitos não só sobre a religião mas também sobre os negros de modo geral.

Portanto, valeu a pena a mobilização que causou a resposta rápida do governo.


Sepromi seleciona estagiários para mapeamento de terreiros

postado por Cleidiana Ramos @ 5:20 PM
17 de dezembro de 2009
Mapeamento é oportunidade para auxílio a comunidades de terreiros como o Seja Hundé, situado em Cachoeira. Foto: Marco Aurélio Martins| Ag. A TARDE

Mapeamento é oportunidade para auxílio a comunidades de terreiros como o Seja Hundé, situado em Cachoeira. Foto: Marco Aurélio Martins| Ag. A TARDE

A Sepromi abriu inscrições para a seleção de estudantes que vão trabalhar no projeto Mapeamento dos Espaços de Religião de Matriz Africana nos Territórios de Identidade do Baixo Sul e do Recôncavo. O prazo para se inscrever termina na próxima quarta-feira, dia 23. São 20 vagas com bolsas no valor de R$350, mais diária de R$200. Os concorrentes devem estar matriculados em períodos a partir do 3º semestre e matriculados em instituições de ensino superior devidamente registradas pelo Ministério da Educação (MEC).

Os selecionados vaõ assumir o compromisso de manter o bom desempenho escolar e não podem firmar vínculos empregatícios durante o período de vigência da bolsa. As inscrições podem ser efetivadas na sede da Sepromi (Centro Adminstrativo da Bahia (CAB, Salvador), das 9 às 12 horas e das 14 às 17 horas ou postadas nos Correios (via sedex) para o seguinte endereço: Secretaria de Promoção da Igualdade, Centro Administrativo da Bahia – CAB, 2ª Avenida, 250,  Anexo  B, Blocos A e B, Paralela, CEP – 41745-003 – Bahia – Brasil. No próximo dia 30 sai o resultado da seleção no site da Sepromi(www.sepromi.ba.gov.br) e no Diário Oficial do Estado. No site também estão os detalhes do edital e documentos necessários para a inscrição.

O projeto de mapeamento dos terreiros vai acontecer por meio de uma parceria entre a Sepromi e a Seppir, em conjunto com as prefeituras e organizações da sociedade civil dos municípios envolvidos. Os dados coletados serão disponibilizados em um apublicação impressa e na Internet e vão servir de base para a elaboração de políticas públicas de atendimento às comunidades religiosas.

A  ideia do projeto é traçar o histórico dos terreiros, condições físicas e de infraestrutura; recursos ambientais, trajetórias de luta e resistência; e o perfil das autoridades religiosas (sexo, raça, formação, dentre outras informações).

No Baixo Sul, os municípios incluídos no projeto são Aratuípe, Cairu, Camamu, Gandu, Igrapiúna, Ituberá, Jaguaripe, Nilo Peçanha, Piraí do Norte, Presidente Tancredo Neves, Taperoá, Teolândia, Valença, Wenceslau Guimarães. No Recôncavo o projeto contempla Cabaceiras do Paraguaçu, Cachoeira, Castro Alves, Conceição do Almeida, Cruz das Almas, Dom Macedo Costa, Governador Mangabeira, Maragojipe, Muniz Ferreira, Muritiba, Nazaré, Santo Amaro, Santo Antônio de Jesus, São Felipe, São Félix, São Francisco do Conde, Sapeaçu, Saubara e Varzedo.


Fotografias de ialorixás em exposição

postado por Cleidiana Ramos @ 3:34 PM
14 de dezembro de 2009
Imagem faz parte da exposição. Foto: Alberto Lima| Divulgação

Imagem faz parte da exposição. Foto: Alberto Lima| Divulgação

Amanhã, na Biblioteca dos Barris, acontece o lançamento da mostra fotográfica Yalorixás no Século XXI. As imagens são de autoria do fotógrafo Alberto Lima.

A exposição está sendo promovida pelo Núcleo Omi-Dùdú em parceria com a Sepromi. As fotografias fazem parte de um calendário que será distribuído gratuitamente. 

A mostra ficará até o dia 31 e engloba outras atividades como debates e palestras sobre as religiões de matriz africana, reinaguração da Sala Luiz Orlando, mostra de filmes, desfile de moda afro, dentre outras.


Encontro para intercâmbio cultural

postado por Cleidiana Ramos @ 2:40 PM
15 de julho de 2009
A presidente do CDCN, Vilma Reis, é uma das participantes do encontro. Foto: Rejane Carneiro|AG. A TARDE

A presidente do CDCN, Vilma Reis, é uma das participantes do encontro. Foto: Rejane Carneiro|AG. A TARDE

Amanhã, 16, a partir das 15 horas, no Centro de Promoção da Igualdade (Rua do Passo, Pelourinho) tem debate sobre a cultura afro-baiana. O diálogo será entre o consultor da Secretaria Geral Ibero-americana (Segib), Pablo Pascale e representantes do movimento negro organizado baiano.

A Segib, sediada em Madri, foi criada há seis anos, durante a XIII Cúpula de Chefes de Estado e de Governo Ibero-Americanos.  No Brasil, o órgão mantém parcerias para execução de programas como o Ibermédia (audiovisual) e o Ibermuseus (museus).

O encontro é coordenado pela Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) e integra a missão do representante da Segib no Brasil que consiste em levantar um diagnóstico da cultura afro-brasileira para a elaboração de programas culturais.

A atividade vai contar com a presença da secretária de Promoção da Igualdade, Luiza Bairros, e da presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN), Vilma Reis. 

 


Auxílio para os diários de Theodoro Sampaio

postado por Cleidiana Ramos @ 9:24 AM
6 de julho de 2009
Foto de um dos desenhos feitos por Theodoro Sampaio. Foto: Walter de Carvalho| AG. A TARDE

Reprodução de um dos desenhos feitos por Theodoro Sampaio. Foto: Walter de Carvalho| AG. A TARDE

Os diários de Theodoro Sampaio (1855- 1937) estão arquivados no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). Vale dizer que a conquista de um acervo tão precioso é mérito da atual presidente do instituto Consuelo Pondé de Sena.

Mas até hoje, o IGHB não conseguiu publicá-los por falta de apoio. Escritos a lápis eles correm o risco de perder a batalha para a ação do tempo e aí estarão fora de alcance partes preciosas da história de um dos mais brilhantes intelectuais brasileiros.

Há, inclusive, em meio a estes diários, uma carta de sua autoria, emocionante, direcionada a um senhor de escravos. Theodoro diz que como está prestes a se casar e, portanto, “montando casa”, não tem todo o dinheiro estipulado para a compra. O escravo em questão é seu irmão. Ele queria cumprir uma promessa feita à mãe.

Não se sabe se o proprietário de escravos fez “a caridade pela liberdade”, como pede Theodoro. Mas em um outro trecho está anexada a carta de alforria de um outro irmão seu.  

“As condições em que se encontram os documentos não permitem sequer a consulta. Só um técnico pode manipular os diários. Tem cópia dos documentos em CD Rom, pois isso conseguimos fazer, mas é necessária a restauração. Infelizmente,  o IGHB não tem verba para pagar”.

O IGHB é uma instituição privada, mas de utilidade pública e que tem um valioso acervo de livros, documentos e periódicos. Atualmente, recebe uma ajuda de custo do governo estadual de cerca de R$ 10 mil que, com os descontos, fica em R$ 8 mil.

Engenheiro, Theodoro Sampaio foi também historiador e geógrafo. Hoje dá nome a uma avenida em São Paulo, com reverências por lá maiores do que as que recebe em seu Estado de origem, a Bahia, de forma tal que há quem pense que ele é paulista.

Mas Theodoro nasceu em Santo Amaro. É certo que hoje existe um município baiano que leva o seu nome, mas acho pouco diante da sua vida e obra.

Era filho de Domingas da Paixão do Carmo, uma escrava de origem jeje. O padre Manoel Fernandes Sampaio assumiu a paternidade e lhe deu o sobrenome, mas segundo a historiadora Consuelo Pondé, ele poderia também ser filho de Francisco Antonio da Costa Pinto.

Theodoro Sampaio escreveu trabalhos como O Rio São Francisco e Chapada Diamantina e Viajantes Estrangeiros no Brasil. Não é segredo que Euclides da Cunha utilizou várias das informações geográficas coletadas por ele em Os Sertões, mas não lhe deu o crédito merecido. Fez apenas uma pequena observação sobre a contribuição em uma das edições do seu livro que virou clássico. Conta-se que Theodoro, que dirigu o IGHB de 1922 a 1937, ficou magoado com o amigo, mas engoliu a omissão de forma discreta.

Não tão discreto ele foi em relação a um episódio de racismo explicíto. Convocado para integrar a Comissão Hidraúlica do governo brasileiro, que faria um estudo dos portos e das condições de navegalibidade do interior do país, foi o único do grupo a não ter seu nome divulgado no edital de convocação.

Ao ser apurado o episódio, a justificativa do funcionário de gabinete foi a seguinte: “Poderia causar constrangimento aos outros estar ao lado de um homem de cor”. A comissão era coordenada por um engenheiro americano: William Milnor Roberts. A omissão foi reparada, mas a agressão a Theodoro já estava feita.

Quem sabe órgãos como Seppir, Fundação Cultural Palmares ou Sepromi comecem a pensar em resgatar a história de Theodoro de uma forma mais marcante? Poderiam começar pelo auxílio ao IGHB para publicar seus diários.           


Boas vindas ao nobre Abdias

postado por Cleidiana Ramos @ 11:36 AM
5 de junho de 2009
Abdias do Nacimento é o novo cidadão baiano. Foto: Divulgação| Ascom Sepromi

Abdias do Nacimento é o novo cidadão baiano. Foto: Divulgação| Ascom Sepromi

Abdias do Nascimento agora é cidadão baiano. Ele recebeu este título ontem na Assembléia Legislativa.

A honraria foi concedida por um projeto do agora secretário estadual de Desenvolvimento Social e Combate à Pobreza, Valmir Assunção, na época em que era deputado. A secretária estadual de Promoção da Igualdade, Luiza Bairros, representou o governador Jaques Wagner na solenidade. 


Ecos da Conferência Estadual pela Igualdade

postado por Cleidiana Ramos @ 11:18 AM
27 de maio de 2009
A secretária estadual de Promoção da Igualdade Luiza Bairros discursa na cerimônia de abertura da II Conepir. Foto: Manu Dias|Agecom

A secretária estadual de Promoção da Igualdade, Luiza Bairros, discursa na cerimônia de abertura da II Conepir. Foto: Manu Dias|Agecom

Terminou ontem a II Conferência Estadual de Promoção da Igualdade Racial (II Conepir). Com as presença de três presidentes em Salvador- Lula, Hugo Chávez (Venezuela) e Abdoulaye Wade (Senegal) o noticiário sobre o encontro foi  tímido.

Até eu mesma não pude dar uma atenção especial à conferência, pois estava trabalhando na cobertura da visita dos presidentes.

O que ficou decidido na Conepir foi a cobrança de que se cumpra o que manda a Lei 10639/08 (o ensino de História da África e Cultura Afro-Brasileira) nas escolas do Estado, a reformulação do Programa Universidade para Todos, além da implantação do Programa de Combate ao Racismo Institucional (PCRI) nos órgãos do governo baiano.  

Também receberam aprovação a rejeição às Propostas de Emenda Constitucional (PEC´s) voltadas para reduzir a maioridade penal para 16 anos, dentre outras sugestões.

Os 400 delegados reunidos, representantes de 133 dos 417 municípios baianos, aprovaram também uma moção de repúdio aos delegados de polícia que permitem a realização de imagens dos suspeitos de crimes sob a sua custódia para exibição em programas de televisão da linha sensacionalista.

Dentre os participantes do encontro foram escolhidos os 64 delegados que irão representar a Bahia na II Conferência Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, que vai acontecer de 15 a 28 de junho em Brasília.   

A II Conepir foi coordenada pela Seceretaria Estadual de Promoção da Igualdade (Sepromi) em parceria com o Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra (CDCN).

 

 

 


Ecos do racismo institucional

postado por Cleidiana Ramos @ 2:31 PM
18 de maio de 2009
Organização da sociedade civi tem sempre força. Foto: Margarida Neide | AG. A TARDE

Organização da sociedade civil tem sempre força. Foto: Margarida Neide | AG. A TARDE

Em tempos de discussão sobre políticas públicas para a população negra, às vezes acabamos por esquecer o quanto estas conquistas, ainda poucas diante da sua necessidade, são recentes.

O jornalista, poeta, inclusive membro da Academia de Letras da Bahia, e editor-chefe de A TARDE ,  Florisvaldo Mattos, localizou uma preciosidade do que podemos caracterizar como racismo institucional do Estado brasileiro. Vale, inclusive, para quem está pesquisando o tema.

Trata-se do  texto intitulado Censo das Favelas. Aspectos Gerais. O estudo foi realizado entre 1947 e 1948 pela Prefeitura do Distrito Federal,  Secretaria de Interior e Segurança e o Departamento de Geografia e Estatística, o precursor do IBGE.  O trecho é da página 11 de um relatório de 33 páginas. Prestem atenção no raciocínio do Estado sobre a população negra e a sua situação de pobreza:

“Muitas considerações já foram tecidas relativamente à eugenia, mas as autoridades competentes têm mostrado certas reservas no trato dos diversos fatores suscetíveis de melhorar a raça humana. Para os nossos propósitos, tomaremos os favelados essencialmente como são constituídos  e examinaremos o que deles se pode esperar de acordo com as realidades, tanto sob o ponto de vista econômico, como social e moral.

O preto, por exemplo, via de regra não soube ou não poude aproveitar a liberdade adquirida e a melhoria econômica que lhe proporcionou o novo ambiente para conquistar  bens de consumo capazes de lhe garantirem nível decente de vida. Renasceu-lhe a preguiça atávica, retornou a estagnação que estiola, fundamentalmente distinta do repouso que revigora, ou então – e como êle todos os indivíduos de necessidades primitivas, sem amor próprio e sem respeito à própria dignidade – priva-se do essencial à manutenção de um nível de vida decente, mas investe somas relativamente elevadas em instrumentária exótica, na gafieira e nos cordões carnavalescos, gastando tudo, enfim, que lhe sobra da satisfação das estritas necessidades de uma vida no limiar da indigência”.

Algumas considerações que podemos fazer sobre o pensamento do Estado brasileiro de então:

A pobreza era culpa da população negra, que trazia como traço característico a preguiça e o dom de gastar tudo com inutilidades. A liberdade que lhe foi concedida, com o fim da escravidão, foi um benefício que ela nunca soube aproveitar.

Se formos analisar bem, este pensamento, que o Estado expunha sem nenhum constrangimento, tem pouco mais de 60 anos. Daí que mais uma vez volto aqui a um tema que tratamos  na semana passada com o gancho da substituição na Semur.

É mais do que necessário e urgente uma maior fiscalização sobre a forma como estão sendo conduzidos estes órgãos voltados para resolver as questões de desigualdades por conta de etnia nas três esferas: município, estado e União.

Este deve ser um compromisso de todos nós. Criticar e ficar de braços cruzados só faz com que as poucas políticas existentes percam sua força ou fiquem ainda mais desacreditadas.

O Estado brasileiro, em todas as suas instâncias, tem uma dívida secular com a população negra e não tem o direito de postergar ainda mais este pagamento. E, nós, sociedade civil, constantemente, esquecemos o poder- e isto não é clichê- que a nossa organização possui.  Acordemos então.