Balaio de Ideias: Não dá para ser mais ou menos a favor da vida

postado por Cleidiana Ramos @ 10:21 AM
24 de agosto de 2015
Maíra Azevedo analisa debate sobre aborto. Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Maíra Azevedo analisa debate sobre aborto. Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Maíra Azevedo

Em defesa da vida! Esse é um dos primeiros argumentos utilizados pelas pessoas e grupos que se posicionam contra a legalização do aborto no país. Sim, é importante defender o direito a vida e assegurar que todas as pessoas tenham, de fato, a condição de manter-se vivo.

A cada dois dias, uma brasileira (pobre e ouso afirmar que seja também negra) morre por ter sido submetida a um aborto inseguro. Esse sim, um problema de saúde pública associado à criminalização da interrupção da gravidez e à violação dos direitos da mulher. São elas que são culpadas e responsabilizadas cada vez que um aborto é realizado. O nome dos seus parceiros, dos pais das crianças, não entram no processo. Por isso, criminalizar o aborto é condenar essas mulheres várias vezes, que já sofrem com o abandono dos homens, pelo atendimento nos hospitais públicos, pelo preconceito instaurado e pela dor de ter que escolher pela vida.

Outra situação que merece ser desmistificada é que nem todo aborto clandestino é inseguro. Existem clínicas especializadas em interromper gravidez instaladas em bairros nobres, que cobram caro pelos seus “serviços”. Afinal, fazem o procedimento com todas as condições de higiene, por médicos treinados, basta a mulher ter dinheiro para pagar. O aborto inseguro é aquele realizado sem nenhum tipo de higiene ou condição necessária, muitas vezes em locais insalubres. E é aí que novamente condenamos apenas as mulheres pobres.

E depois de condenar as mulheres pela prática do aborto, é chegado o momento de negar o direito de se manter vivo aos seus filhos. É no mínimo contraditório defender o direito de nascer e em seguida matar a nossa juventude. Sim, matam nossa juventude cotidianamente, eliminam-se talentos,quando se defende a redução da maioridade penal ou se cala diante ao genocídio da juventude negra.

É preciso ter coerência, defender um Estado que assegure todos os direitos. Acesso a saúde pública, a segurança, educação, cultura, lazer. Não se pode ser mais ou menos a favor da vida.

Maíra Azevedo é jornalista do grupo A TARDE


Balaio de Ideias: Manifesto por uma vida afetiva digna

postado por Cleidiana Ramos @ 10:33 AM
16 de julho de 2015
A jornalista Maíra Azevedo faz contundente análise sobre racismo e afetividade. Foto:  Edilson Lima/ Ag. A TARDE/ 29.1.2014

A jornalista Maíra Azevedo faz contundente análise sobre racismo e afetividade. Foto: Edilson Lima/ Ag. A TARDE/ 29.1.2014

Maíra Azevedo

Para a maioria, o 25 de julho é apenas mais uma data no calendário. Para nós, que fazemos o debate de gênero e raça, é momento de analisar as posturas sociais e como elas interferem nas vidas daquelas e daqueles que dizemos defender em nossos discursos. As pautas são diversas. Por isso optei em focar meu debate sobre algo que faz parte das conversas das mulheres negras: vida amorosa ou a falta dela. Por isso, resolvi fazer uma série de questionamentos e espero as respostas.

Quem faz manifestação pela morte afetiva e cotidiana das mulheres negras? Quem se importa quando as mulheres passam sozinhas pelas ruas? Quem se incomoda com o fato das mulheres negras serem sempre maltratadas por seus parceiros, seja fisicamente ou psicologicamente? Quem tenta buscar solução pela vida miserável que as mulheres negras levam, pois ou elas estão chorando pelos homens negros que morreram ou pelos que ajudam a tirar suas vidas? Porque a morte das mulheres negras é real. Quando não morrem fisicamente, estão mortas afetivamente. A solidão mata, entristece, deprime.

Hoje, peço a você um minuto de reflexão. Qual mulher negra que você conhece vive uma relação bacana, tranquila, com cumplicidade? Se lembrar de cinco, sem precisar puxar pela memória, então eu volto e digo que estou errada. As mulheres negras estão sozinhas, até mesmo quando tem alguém ao lado. Porque a maioria dos homens, quando estão ao lado de uma mulher negra acham que já fizeram o bastante por ela. Para muitos, o fato de terem assumido a relação com uma de nós é um plus, um bônus. Devemos agradecer, afinal estamos fora das estatísticas da solidão.

É preciso fazer um alerta, uma convocação. Temos obrigação moral de sermos mais companheiras uma das outras. Se somos mesmos comprometidas com o debate de empoderamento feminino, vamos aprender a não brigar por homens, a não permitir que eles nos dissolvam. Pois, quando eles partem, ficamos em frangalhos e eles fazem isso em série.

Não dá mais para aceitar as migalhas que muitos desses homens pensam em nos oferecer: levar para um quarto de hotel e ter uma noite de prazer ou se aproveitar do nosso status para ter um duplo prazer. Muitos deles querem gozar da nossa influência e acham que nos dar o gozo é a melhor forma de retribuir tudo que já fizemos por eles.

E a nós mulheres negras, cabe praticar mais a sororidade. Devemos ser mais cúmplices, não julgar a outra. Estender a mão e no momento de dor, nada de lembrar “EU BEM QUE TE AVISEI”. Esse sofrimento em busca de um homem legal, bacana, companheiro, que te respeite, parece ser incessante e isso é cobrado de todos os lados.

A hora de chorar pelos cantos já passou e não deveria nem ter chagado. Mas é preciso despertar e ser mais cofiante, rejeitar essas miudezas que eles nos oferecem por aí. Porque pra gente é sempre mais difícil. Queremos viver, bem viver e não sobreviver. Vamos protestar contra a miserabilidade afetiva a que somos submetidas e que ás vezes é praticada por aqueles que defendemos. Basta! Por uma vida afetiva verdadeira e digna.

Maíra Azevedo é jornalista do Grupo A Tarde e militante das causas que envolvem a questão étnico-racial, gênero e combate ao racismo e  a todas as formas de desigualdades


Balaio de Ideias: Zum zum zum Capoeira mata um! E preserva a vida de muitos

postado por Cleidiana Ramos @ 8:45 AM
20 de novembro de 2010

Maíra Azevedo salienta a simbologia da capoeira. Foto: Acervo pessoal

Maíra Azevedo

Ao som do berimbau, palmas e uma música que canta saudade e afirmação,  um grupo de jovens, todos eles com vestes brancas e simples, se reúnem em círculo para fazer uma festa e testar os movimentos  do seu corpo.  Essa cena  é atemporal, nos remete às senzalas do Brasil Colônia, mas também a uma cena cotidiana das academias luxuosas  e elitistas, das areias das praias e das ruas dos bairros populares de qualquer lugar do mundo. Assim é a capoeira, democrática por natureza.

Símbolo de resistência e da força do povo negro, a capoeira foi e é responsável pela sobrevivência de milhares de homens e mulheres que ousaram, em uma época não tão distante, desafiar  as leis e continuar seguindo em frente com os movimentos corporais que são definidos como uma mistura de dança e luta. E foi gingando que  derrubaram muitas estatísticas perversas.  Até 1943, a prática da capoeira era proibida no Brasil, considerada  violenta e subversiva. Qualquer um que estivesse em situação suspeita, poderia ser preso. A “alforria”,  chegou quando Mestre Bimba se encontrou com, o então presidente, Getúlio Vargas. Ao fim da apresentação, o presidente estava convecido. A capoeira era o esporte brasileiro.

Mas a capoeira é mais do que um esporte. É  a tradução livre, por meio do corpo,  de sentimentos  de um povo que ficou marcado por suas dores e anseios.  É um golpe profundo naqueles que insistem em nos deixar acorrentados. É uma das facetas da identidade dos milhares de africanos que foram trazidos como mercadoria para o novo continente.E resistiram, tiveram a luta ou dança como arma para sobreviver. Disseram não com as pernas e mãos.  Não vamos  permitir que nos coisifiquem, estamos lutando  e vamos conseguir. A capoeira diz isso. É rasteira nos opressores.

A capoeira se consagrou. Não se pode pensar no Brasil, na Bahia e não imaginar aquelas acrobacias feitas em grupo. São pernas no ar, mas sempre acompanhadas. Não se joga capoeira sozinho, precisamos do outro.  Por isso, é uma grande lição. Não são apenas golpes ao vento, mas uma série de movimentos que atesta que organizados vamos mais longe.  A luta que era crime, se transformou em esporte nacional e é responsável pela sobrevivência de muitos, não só por defender o seu corpo contra algum golpe, mas por preservar a sua história.

Iê, viva meu Deus, camará , Iê, viva meu mestre, camará, Iê, quem me ensinou, camará Iê, a Capoeira que me PRESERVOU camará. Essa também é ladainha.

Salve capoeira!

Maíra Azevedo, coordenadora de comunicação da Unegro, yaô do Ilê Axé Oxumarê e, capoerista do Grupo Gingando Sempre      


Diretoria de gênero e igualdade no Sinjorba faz história

postado por Cleidiana Ramos @ 6:03 PM
1 de setembro de 2010

Daqui a pouquinho na Câmara de Vereadores acontece a posse da nova diretoria do Sindicato dos Jornalistas do Estado da Bahia (Sinjorba), com uma novidade histórica: pela primeira vez, dentre os cargos, está a Diretoria de Gênero e Igualdade.

O titular é o jornalista André Luiz Oliveira Santana e a suplente a jornalista Maíra Azevedo.

É um grande passo e uma iniciativa inédita que tinha de sair do Estado mais negro do País. Nada melhor do que a principal representação dos jornalistas no Estado estar atenta a duas questões tão cruciais para a população baiana.

Existem em outros sindicatos as comissões que se debruçam sobre o tema da igualdade, as chamadas Cojiras, mas diretoria específica a do Sinjorba é a primeira. Parabéns ao órgão.


Balaio de Ideias: É bom ser mãe. Desde que meu filho esteja vivo

postado por Cleidiana Ramos @ 12:23 PM
8 de maio de 2010

Maíra Azevedo

Mãe é tudo igual! Quem nunca ouviu essa expressão? Mas agora que faço parte deste conjunto sei o quanto essa frase é falsa. E digo isso com propriedade de uma mulher negra que pariu uma criança negra em uma sociedade racista como é a brasileira.  Toda mãe pede em suas preces, seja para qual deus for, que seus filhos estejam em segurança. A mãe negra não. Ela pede ao seu deus que seu filho não seja abordado pela segurança de qualquer lugar e entre para as estatísticas.

Estatísticas essas que nos acompanham desde cedo. Pesquisas do Núcleo de Estudos de População da Universidade Estadual de Campinas – NEP/UNICAMP identificaram uma diferença sistemática na mortalidade de crianças menores de um ano. Os estudos constataram que houve no Brasil uma redução nos níveis das taxas de mortalidade infantil, entre a década de 70 e fim dos anos 90. Porém, ao introduzir na análise o quesito raça/cor declarado pelas mães, observou-se que a redução se deu de forma desigual entre as raças.  Enquanto o índice de mortalidade das crianças declaradas brancas foi reduzido em 43%, o número das crianças declaradas negras foi sensivelmente menor, apenas 25%.

E quando consegue a façanha de sobreviver, tem em frente um novo desafio. Manter-se vivo. Tudo bem,  eu sei que o destino de todos nós é a morte. Todos, independente de cor. Mas, para nós negros esse destino sempre tenta chegar mais cedo.

Sei que pode parecer mórbido escrever sobre isso quando se aproxima o Dia das Mães, uma data que as lojas capitalistas aproveitam para nos entupir com suas quinquilharias e com isso fazer com que a gente concorde que ser mãe é bom. É bom mesmo, aliás, maravilhoso, mas quando temos o nosso filho perto da gente e nem precisa trazer presente. Mas essa é uma realidade que nós mulheres negras, que tivemos a ousadia de parir, cada vez mais não temos.  Mórbido mesmo é rezar o tempo todo para o filho não ser vítima de uma chacina, não ser apontado como um provável marginal e a mãe ter que ir ao Instituto Médico Legal (IML) para reconhecer os restos mortais, porque nem sempre nos resta o corpo.

Sei que muitos vão afirmar que essa dor não é um “privilégio” apenas  das mulheres negras  e que  a dor de uma mãe que perdeu um filho, seja por qual motivo for, é insuperável. E eu digo categoricamente que concordo. Aí sim, na dor somos muito parecidos, mas também sofremos de forma diferente  e em posições distintas, cada uma no seu quadrado.  E olhe que digo isso, apenas como uma jovem e nova mãe.

Meu filho é um sobrevivente das estatísticas, tem um ano e 11 meses. Mas, desde já, o meu maior medo é que algum dia a polícia ou um grupo de extermínio execute o aborto que eu não tive coragem de realizar. E os episódios não aconteçam na ordem natural, pois, o maior presente para uma mãe é acreditar que ela vai embora antes do seu filho e não o contrário. É bom ser mãe, né?

Maíra Azevedo é  jornalista e militante da União de Negros pela Igualdade (Unegro)