Pequen@s guerreir@s: Abdias, o aprendiz de Ekó Ilê

postado por Cleidiana Ramos @ 6:30 AM
20 de novembro de 2014
Bruno Aziz

Bruno Aziz

 

 

Um dia, um griot* nascido nas terras africanas da Nigéria, em Ilê Ifé – a cidade sagrada dos nossos ancestrais yorubás –, nos falou sobre Ekó Ilê. Ele disse que Ekó Ilê é aquela primeira lição que aprendemos em casa, com nossos mais velhos, antes mesmo de irmos pra escola.

Pois bem. Hoje vamos falar sobre a primeira lição que o nosso menino Abdias aprendeu com sua mãe, a linda e doce dona Josina, conhecida na cidade de Franca pela sabedoria em fazer as folhas virarem remédios que curavam de um tudo; e as frutas virarem doces de deixar todo mundo com água na boca… E olha que o que não faltava naquela cidade eram ervas e frutas de todo tipo, principalmente as jabuticabas, pretinhas e doces como mel!

Quando o pequeno Abdias tinha assim entre sete e oito anos, aconteceu uma coisa que o marcou para o resto da vida, tanto é que, quase noventa anos depois, ele sempre lembrava do acontecido quando conversava com alguém sobre as coisas da infância. É que ele tinha um coleguinha do grupo escolar que se chamava Filisbino, e era um menino bonito, parecido com Abdias e seus irmãos, pretinho como a jabuticaba doce que dava nas árvores que rodeavam a cidade de Franca.

Porém, Filisbino era também muito triste, pois vivia com muitas dificuldades, já que tinha perdido o pai e a mãe bem cedinho e sobrevivia graças à solidariedade de alguns vizinhos. Pois bem, havia na cidade de Franca uma mulher que não era generosa, nem sábia, nem doce como a mãe de Abdias… Na verdade ela era bem amarga. Tão amarga que, um dia, só por ignorância e crueldade, maltratou muito o coleguinha de Abdias.

E aí, a dona Josina, que não se conformava com esse tipo de maldade, e gostava do menino como se fosse seu filho, não deixou por menos: disse poucas e boas para a mulher amarga e disse mais, que não ia permitir que ela fizesse mal ao menino e a nenhuma outra criança que se parecesse com ele.

O pequeno Abdias, vendo tudo aquilo, aprendeu a lição para o resto da vida: “Não se deve deixar uma ofensa racial sem resposta”. E aí está, a Ekó Ilê aprendida, e nunca esquecida, de sua mãe. Pelo resto da vida, em todo lugar do mundo, Abdias reproduziu a ação de sua mãe, defendendo os direitos das pessoas negras, dos pobres, dos índios, das mulheres e de todas aquelas que fossem desrespeitadas ou vítimas de qualquer tipo de violência.

Lindinalva Barbosa é educadora, mestre em Estudos de Linguagens/Uneb e omorixá Oyá do Terreiro do Cobre.

Foto: Arquivo pessoal

Foto: Arquivo pessoal

*Griot , nas culturas mandês da África Ocidental (Senegal, Guiné e países próximos), é o contador de histórias (“artesão das palavras”) que preserva e transmite a sabedoria e a história do povo. A palavra griot é francesa ; o termo nas línguas locais é djeli ou djali. (Fonte: Semog e Nascimento, Éle e Abdias. O griot e as muralhas, Rio de Janeiro, Pallas, 2006, p. 63.).

Fonte bibliográfica consultada: Semog e Nascimento, Éle e Abdias. O griot e as muralhas, Rio de Janeiro, Pallas, 2006, pgs. 29-51).


Estudo revela força poética da obra de Abdias Nascimento

postado por Cleidiana Ramos @ 1:01 PM
13 de março de 2014
Dentre a vasta obra de Abdias Nascimento, o livro Axés do Sangue e da Esperança-Orikis é o único de poesia. Foto: Xando Pereira/Ag A TARDE/13.11.2002

Dentre a vasta obra de Abdias Nascimento, o livro Axés do Sangue e da Esperança-Orikis é o único de poesia. Foto: Xando Pereira/Ag A TARDE/13.11.2002

Lindinalva Barbosa é autora de As Encruzilhadas, o ferro e o espelho, estudo sobre a obra poética de Abdias. Foto: Lúcio Távora/Ag. A TARDE

Lindinalva Barbosa é autora de As encruzilhadas, o ferro e o espelho, estudo sobre a obra poética de Abdias. Foto: Lúcio Távora/Ag. A TARDE

Para quem não conseguiu ler no formato de imagem, texto sobre estudo da obra poética do grande Abdias, que tem centenário de nascimento comemorado amanhã. 

Cleidiana Ramos

Intelectual multifacetado, Abdias Nascimento (1914-2011) nasceu em 14 de março,  Dia da Poesia. A data foi escolhida para festejar esse gênero literário por conta do  aniversário de Castro Alves. Curiosamente, também é o  dia em que a escritora Carolina de Jesus nasceu.  Os três produziram uma arte saída da vivência ou da aproximação (no caso de Castro Alves) com o  universo negro. Embora pouca gente saiba, Abdias publicou Axés do Sangue e da Esperança-Orikis, único livro de poesias da sua vasta obra.

A surpresa de muitos quando se deparam com o livro, publicado em 1983, é por conta da imagem do combatente aguerrido de Abdias que, por vezes, acaba ofuscando a sua imensa sensibilidade.
“O  senso comum tem uma noção de  poesia como algo que está apenas  no campo do lirismo. É como se as posturas mais aguerridas e mais duras estivessem  distanciadas desse campo”, explica Lindinalva Barbosa, autora da dissertação As Encruzilhadas, o Ferro e o Espelho .

A pesquisa que resultou no texto apresentado para a obtenção do seu título de mestre em Estudo de Linguagens pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb) mostra as formas artísticas e discursivas do livro com característica diferenciada dentre a obra literária de Abdias.
Lindinalva conta que tomou contato com o livro em 1986, período inicial da sua trajetória como militante do Movimento Negro Unificado (MNU).

De acordo com ela, embora o livro  traga poesia, ele reflete o espírito mais geral da produção de Abdias.

Luta e religião

“A obra de Abdias está inserida no campo da  literatura negra, conceito que uso. Esse tipo de literatura traz a mensagem capaz de comunicar a luta cotidiana que é travada contra o racismo”, acrescenta.

A religião afro-brasileira é a base dos poemas reunidos no livro. O título escolhido por Lindinalva faz referência aos três orixás que dominam a obra: Exu, Ogum e Oxum.

Exu é o senhor das encruzilhadas, ou seja, dos  vários caminhos que se encontram e exigem decisões; Ogum é o dono da tecnologia e arte de retirar do ferro os variados objetos, inclusive as armas; Oxum é a dona da fertilidade e da luta que combina paciência e inteligência.

“Em uma entrevista que fiz com Abdias, ele chegou a me dizer que Exu era o patrono da sua ação política, como aquele que não se conforma com  as situações que o racismo coloca e que entra e sai de encruzilhadas. Abdias era assim”, diz.

“Ogum prepara as armas e Abdias sempre disse que tudo o que fazia era  ferramenta para a luta contra o racismo;  Oxum é o orixá votivo de Abdias, que, de certa forma, contrabalançava seu espírito bélico, pois ela também é bélica, mas de uma forma mais maleável, engenhosa e sinuosa como as águas”, completa a pesquisadora.

O encontro de Abdias com as religiões afro-brasileiras aconteceu  na década de 1930, no terreiro de Joãozinho da Goméia, no Rio de Janeiro.

“Em uma de suas biografias, ele coloca que o  momento em que deu conta de si enquanto sujeito negro de uma forma mais plena e decisiva foi quando se aproximou do universo afro religioso”, afirma Lindinalva.

Uma amostra dessa arte pessoal e engajada é um dos trechos do poema intitulado Mucama-mor das estrelas: Não direi que isto é poesia/ talvez lembranças fantasia/ quem sabe murmurar de sonhos/ testemunho ou biografia.

O trabalho de Lindinalva Barbosa ainda não foi publicado em livro, mas pode ser conferido tanto no site do Programa de Pós Graduação em Estudo de Linguagens da Uneb, como no site do Ipeafro, que reúne produções sobre Abdias.


Homenagem a Abdias

postado por Cleidiana Ramos @ 5:24 PM
24 de maio de 2011

Acabo de ver que meu colega  Claudio Leal, de quem sou fã de carteirinha,  conseguiu o que me faltou: escreveu um texto e tanto sobre a morte de Abdias. Leal entrevistou Abdias para o caderno especial sobre a II Ciad publicado em A TARDE há cinco anos.

Depois, com Leal já atuando pela Terra Magazine, aconteceram várias outras entrevistas que renderam textos, sempre polêmicos, como gostava Abdias.   Cliquem aqui para conferir o belíssimo texto de Leal.


A despedida do grande Abdias

postado por Cleidiana Ramos @ 5:11 PM
24 de maio de 2011

Abdias Nascimento é um ícone da luta contra o racismo. Foto: Xando Pereira |Ag. A TARDE |13.11.2002.

Alguém já me disse que um acontecimento é importante quando você consegue lembrar exatamente o que estava fazendo naquele momento quando recebeu a notícia sobre ele.

Da mesma forma existem também pessoas que acionam essas lembranças. Uma delas é Abdias Nascimento. Nunca vou esquecer que estava numa sessão do V Encontro de Estudantes Africanos, na Faculdade de Economia da Ufba quando chegou a informação sobre a sua morte, na manhã de hoje.

Quem me falou, com toda a gentileza e cuidado peculiar aos filhos de Oxalá, foi o professor Jaime Sodré. Ele me chamou a um canto, preocupado em encontrar a melhor forma de abordar o assunto para a plateia.

A notícia só foi compartilhada após a leitura emocionada de um poema que o grande Limeira, um perfeito tradutor das emoções de uma alma descendente de africanos, compôs em homenagem a Abdias e Lelia Gonzalez.

A narrativa desta emoção coletiva foi a única forma que encontrei de tentar traduzir o que significa essa passagem de Abdias, pois produzir um texto sobre ele  está além da minha capacidade tanto informativa como de criação.

Basta pensar que este homem militou durante 80 anos pelo combate ao racismo em vertentes tão diversas como o teatro, a poesia e a política.

Acho que uma frase do professor Jaime resume tudo: ganhamos hoje mais alguém no plano ancestral para zelar por todos nós. Axé!