Especial aborda relações raciais no futebol

postado por Cleidiana Ramos @ 12:34 PM
18 de novembro de 2013
Caderno especial discute o racismo no futebol. Foto: Raul Spinassé/Ag. A TARDE

Caderno especial discute o racismo no futebol. Foto: Raul Spinassé/Ag. A TARDE

Da Redação

Em 1947, o jornalista Mário Filho lançou O negro no futebol brasileiro. O livro abordou, de forma pioneira, as  relações raciais no esporte mais popular do país . O caderno  de A TARDE,  comemorativo  ao Dia Nacional da Conceição Negra,  que vai circular na próxima quarta-feira, segue os passos de Mário Filho.
A  inserção dos primeiros negros nos times de futebol e a dificuldade para assumir postos de comando são alguns dos temas abordados.
O caderno será a 11ª edição dos especiais. O do ano passado intitulado Os homens que chamam os deuses pra terra, recebeu, na última segunda-feira, o Prêmio Abdias Nascimento, na categoria mídia impressa.
Criatividade
Para Jaime Sodré,  historiador, professor e religioso do candomblé, os especiais da  Consciência Negra de A TARDE estão consolidados por  trazerem, em linguagem acessível, mas  de forma aprofundada, aspectos importantes da história e cultura do povo negro.
“É muito interessante observar como esses especiais resgatam elementos da história, mas de uma forma completamente contemporânea”, afirma.
Outro acerto dos especiais, na avaliação de Sodré, é o cuidado com a qualidade gráfica e a publicação das dicas pedagógicas que são formuladas pela professora Josiane Clímaco desde 2008.
A ideia das dicas pedagógicas é fornecer conteúdo de auxílio aos professores para aplicação da Lei 10.639/2003 que estabelece o ensino de História da África e Cultura Afro-Brasileira.
Consultor dos dois primeiros especiais (Qual a sua cor? A vida em um mundo racista, 2003,  e África, Povo do Sol, 2004,  o antropólogo Roberto Albergaria aponta três conceitos que, em sua análise, sustentam os cadernos: coragem, criatividade e ousadia.
“Desde o primeiro número é visível a ousadia de tratar  de forma sistemática as relações raciais e racismo, temas que sempre foram abordados  com um certo melindre na Bahia”, aponta Albergaria.
De acordo com ele, isso é feito com criatividade. “É outro ponto interessante conseguir colocar uma discussão cercada de complexidade no formato jornalístico”.
A  ousadia de inaugurar um modelo que sempre segue temas para o antropólogo é outro acerto. “Dessa forma  temos uma possibilidade de explorar várias facetas das questões vinculadas às relações raciais”, diz.
O antropólogo também aponta que A TARDE criou um modelo próprio e  único em todo o país. “Não há outro tipo de iniciativa que dedique o espaço de um caderno inteiro para falar deste temas”, completa o antropólogo.
Novidade
O primeiro especial foi publicado em 2003. A partir de uma pauta sobre a persistência do racismo em Salvador, o caderno intitulado Qual a sua cor ? A vida em um mundo racista mostrou a complexidade das relações raciais na Bahia.
O especial foi finalista do Prêmio Imprensa Embratel. Em 2004 foi a vez de.  África Povo do Sol . A formação de uma classe média negra foi abordada em Gente de Raça (2005).
A herança das religiões africanas e a sua luta contra o preconceito inspirou Sou de Santo e Raça (2006). A organização política foi abordada em Lutas de Ontem e de Sempre (2007).
A variedade de linguagens artísticas  sustentou  Arte da Resistência (2008). Negócios inspirados na cultura afro-brasileira compuseram Produtores de Owó(2009).
Este especial venceu o Prêmio Banco do Nordeste, nas categorias Mídia Impressa Regional I e Nacional. A capoeira foi o tema de 2010 com Ê, Camará.
Em 2011 foi a vez de abordar como o dendê inspira aspectos da vida sócio-cultural baiana com o caderno intitulado Epo Pupa,  finalista do Prêmio Abdias Nascimento em 2012. A saga dos sacerdotes músicos das religiões afro-brasileiras, premiado na última segunda-feira, foi o tema do ano passado.

Tags: , ,

Deixe seu comentário