Cinquenta anos do Pilão de Prata

postado por Cleidiana Ramos @ 2:22 PM
8 de fevereiro de 2011

Articulista faz registro da história do Pilão de Prata. Foto: Fernando Vivas | Ag. A TARDE

Jaime Sodré

Sentimento de orgulho leva-nos a registrar a trajetória de famílis negras que descendem de núcleos familiares africanos, das mais variadas procedências, todas dignas. À dolorosa situação compulsória na condição de escravos, somava-se a quebra do vínculo comunitário e familiar. Famílias negras, algumas núcleos das religiões de matriz africana, povoaram com dignidade a cidade do Salvador. Entre estas, registramos as famílias Alaketu, Asipá, Alakija. Esta introdução conduz-nos ao nosso assunto: a família Bangbosé, a trajetória do Làjoumim e do Ilê Odô Ogê, que remonta às origens do candomblé no Brasil.

Personalidades como iyá Detá, iyá Kalá e Iyá Nassô implantaram a liderança feminina na formação do culto de base africana em Salvador, associadas a líderes masculinos como babá Asipá, Bangbosé Obitikô (Rodolfo Martins Andrade), que trouxera em sua companhia o seu Òsú em seu Orí, o fundamento do culto a Xangô.

Destacado integrante do reino de Oyó, Bangbosé era o acólito que carregara o oxé, instrumento associado ao poder do orixá Xangô. Conhecedor dos ritos do candomblé, Obitikô era a presença que possuía o embasamento fundamental na consolidação deste culto. Associado aos conhecimentos de iyá Nassô e Marcelina Obatossí entre outras, Bangbosê torna-se um dos patronos do candomblé na nova África-Brasil.

Do Iyá Omin Asé Airá Intilé na Barroquinha, Ilê Asé Nassô Oká, a Casa Branca, nasce o Terreiro Làjoumim, em 1941, cuja direção competente e generosa caberia a Caetana América Sowzer, nobre herdeira da tradição e do axé Bangbosé.

A reverendíssima iyá Caetana, Mãe dos Olhos D´Água, filha de Felisberto Américo Sowzer, Oguntosi, instrutor da sua disciplina religiosa, esta, transmitida por seu bisavô, Làjoumim assumira a continuidade da tradição Bangbosé, tendo como antecessores Maria Andrade Sangôbiyí, a filha dileta de Obitikô, e Felisberto Benzinho, respeitado babalaô. É no terreiro de Felisberto Benzinho, no Luiz Anselmo, que cresce a promissora Làjoumim, a Mãe dos Olhos D´Água, mãe Caetana, com sensibilidade e clarividência nata para elucidação dos enigmas religiosos, por isso muito respeitada. Elegante, em uma nobreza legítima, gosto requintado, refletido em suas roupas, verdadeira “alta costura” do candomblé, e nos objetos que refletem a nobreza típica do seu orixá.

A fertilidade do Terreiro Làjoumim procriou o Ilê Odô Ogê, o Pilão de Prata, tendo na sua lidernça, o gentilíssimo e competente babalorixá Air José de Souza, de Oxaguian, filho de Tertuliana Souza de Jesus, Tibúsè. Sobrinho querido de mãe Caetana, responsável por sua iniciação, pai Air é um legítimo seguidor da família Bangbosê, nos seus ritos e tradição.

Pai Amilton Costa cedeu-lhe o terreno, no qual Pai Air segue a sua missão instalando o Pilão de Prata. Com os estímulos dos irmãos da Casa Branca e o incentivo de mãe Caetana, a direção do Làjoumim ficaria a cargo da sua sobrinha, iyalaxé Haydée, filha dileta de Xangô.

Embora separados pelo espaço geográfico, o Pilão de Prata, situado no Alto do Caxundé, na Boca do Rio, e o Làjoumim, localizado na Rua Xisto Bahia, na Vasco da Gama, formam uma grande família, digna da sua tradição. Pai Air empregou os seus esforços na instalação do Memorial Làjoumim, uma justa homenagem a mãe Caetana no seu primeiro axexê. Localizado no Pilão de Prata, o memorial é composto de objetos refinados, elementos associados ao bom gosto de Mãe Caetana.

Para apoio às virtudes intelectuais dos fiéis do candomblé e da comunidade, pai Air construiu a Biblioteca Làjoumim, inaugurada em 2000, na cerimônia dos sete anos de falecimento de mãe Caetana. Coube também a ele a criação da Sociedade de Presevação do Asé Bangbosé, encarregada da administração do patrimônio material, cultural e religioso do Làjoumim e Pilão de Prata. Reformas no entorno do terreiro culminam com a instalação de um monumento a mãe Caetana. São cinquenta anos de resistência do legado religioso africano. O Ilê Odô Ogê é referência e orgulho do povo da Bahia e do axé.

Jaime Sodré é professor universitário, doutorando em HIstória Social e religioso do Candomblé

Tags: , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário