Balaio de Ideias: Verão é movimento e inspiração

postado por Cleidiana Ramos @ 9:11 PM
16 de janeiro de 2013

Mãe Stella destaca importância do movimento para o Candomblé. Foto: Margarida Neide/ Ag. A TARDE/ 07.12.2012

Maria Stella de Azevedo Santos

Corpo físico ou concreto, corpo espiritual ou abstrato; ambos precisam de movimento para aumentar e conservar as energias. Sem exercício físico nosso corpo fica pesado e enfraquecido, atuando com muita dificuldade, executando tarefas simples como se carregasse terríveis cargas. O movimento serve para limpar nossos corpos, concreto e abstrato, das energias negativas que concentramos em torno deles, vindas não só do mundo externo, como também do nosso mundo interior. Do exterior vêm as pragas, calúnias, infâmias, “olho gordo”; do interior emitimos vibrações de ganância, inveja, má “querência”. Todos esses sentimentos, naturalmente humanos, nos deixam carregados, pesados e sujos.

Para nos sentirmos leves a ponto de nosso espiritual poder conectar-se com as parcelas abstratas do universo, é preciso então movimentar-se. Na religião dos orixás, o movimento é uma constante nos rituais: cozinhamos, dançamos, ajoelhamos e levantamos diversas vezes em um único momento. Nossos exercícios de concentração são realizados quando cortamos quiabo para o amalá; quando tiramos a casca de cada grão do feijão para fazer o beguiri; quando colamos uma por uma das bandeirolas que enfeitam o barracão; quando, pacientemente, tiramos pena por pena das aves que serão oferecidas aos deuses.

É por essa e outras razões que não é interessante comprarmos e usarmos máquinas para cortar quiabo e depenar galinhas. Exercícios de concentração fazem com que a energia adquirida com a manifestação da divindade, com os banhos de folhas e ebó não seja perdida, fique concentrada em nós, fazendo com que sejamos pessoas mais fortalecidas para enfrentarmos as tarefas e guerras diárias. Sem exercício físico nosso corpo padece com dores diversas. Sem exercícios respiratórios, de concentração, reflexão e de meditação nosso espiritual fica sem forças para cumprir a principal Lei Universal: a Lei da Evolução.

 Não faz parte das obrigações dos iniciantes e iniciados no candomblé realizarem exercícios respiratórios, pois estes são executados, naturalmente, durante a dança ritualística, quando inspiramos e emanamos o ar de maneira intensa. A meditação no candomblé se faz desde o carregar silencioso da água para encher quartinhas e talhas, passando pela também silenciosa limpeza da manifestação concreta da divindade, chegando até o jogo de obi, quando o iniciado pode estabelecer um “diálogo” espiritual com a sua própria essência divina.

O movimento corporal, mental e espiritual deve ser começado logo que se acorda. Se começamos um dia na inércia, passamos um péssimo dia e uma noite ruim. A natureza é sábia. Gastamos gradativamente a nossa energia. Pela manhã estamos com uma energia renovada, pronta para ser usada. Ao meio-dia estamos plenos. No decorrer da tarde já nos desgastamos e à noite precisamos dormir para recompô-la (isto é a regra geral, não nos esqueçamos das exceções). Assim também quando a nossa infância e mocidade são sedentárias, temos uma velhice precoce e sem graça, sem força espiritual.

O movimento é fundamental, porém com equilíbrio, como tudo na vida. Às vezes fico a assistir aos omorixá (filhos de santo) andando apressadamente, para executar tarefas que têm tempo de sobra para serem executadas com tranquilidade. Isso é desperdício de energia! É queima desnecessária do combustível que adquiriram através da concentração, respiração, meditação. Por que e para que correm tanto? – pergunto-me. Para provar aos outros ou para si mesmo que estão em atividade? Para que esgotando o corpo físico, a mente não possa refletir sobre os comunicados enviados pelos deuses e ancestrais… As perguntas ficam sem respostas, pois creio que cada caso é um caso.

De repente, é o desejo intenso de servir ao sagrado. O importante é que cada um aprenda a movimentar-se e aquietar-se com equilíbrio. A quietude necessita do movimento e o movimento da quietude. Tanto que cantamos para a folha rinrin: Rinrin là bexê, wa gbejê ni ki wa bexê hu bó, querendo dizer: Rinrin que é puro vem na frente, nós ficamos quietos para não incorrermos em erro e chorarmos alto.

Mãe Stella é Iyalorixá do Ilê Axé Opô Afonjá. Ela escreve, quinzenalmente, às quartas-feiras, em A TARDE

Tags: , , ,

Deixe seu comentário