Balaio de Ideias: Por um paisagismo tipicamente baiana

postado por Cleidiana Ramos @ 11:06 AM
24 de setembro de 2014
O Parque São Bartolomeu é um dos espaços vegetais caros ao povo de santo de Salvador. Foto: Marco Aurélio Martins | Ag. A TARDE | 18.07.2013

O Parque São Bartolomeu é um dos espaços vegetais caros ao povo de santo de Salvador. Foto: Marco Aurélio Martins | Ag. A TARDE | 18.07.2013

Quando crianças, nossos professores tinham um trabalho imenso para realizar atividades educativas e informativas em equipe. Enquanto os alunos teimavam em fazer a tarefa com o mesmo grupo de colegas, os professores insistiam em desfazer as conhecidas “panelinhas”. Nesse verdadeiro cabo de guerra, normalmente os alunos eram “vencedores”. O que as crianças e adolescentes não sabiam, por lhes faltar experiência, é que vencer às vezes significa perder.

Na escola, as tarefas feitas em grupo objetivam fornecer informações, mas principalmente educar para o convívio em sociedade, já que, no futuro, os estudantes se tornarão profissionais que em vez de “panelinhas” precisarão formar imensos “caldeirões”, no qual estarão “juntas e misturadas” pessoas possuidoras de diferentes culturas e saberes, compartilhando seus conhecimentos variados, a fim de que as tarefas que lhes sejam dadas possam ser cumpridas com competência.

Estou relembrando o passado escolar para poder comentar sobre o presente, dia 12 de setembro, quando, redundantemente falando, recebi um grande presente na celebração dos meus 75 anos de iniciada. Não me refiro ao fato de ter lançado mais um livro e sim que, através desse livro, pude conhecer novas pessoas, as quais pertencem a grupos completamente diferentes daquele que tenho convivido até então. O livro O que as Folhas Cantam (para quem canta folhas) atraiu um grupo que nem de longe pensei em alcançar, exatamente pelo fato de eles não pertencerem ao meu grupo de convivência.

Os paisagistas e os arquitetos que compareceram ao lançamento me contagiaram com o entusiasmo que demonstraram sentir pelo livro. Um paisagista chegou a me falar que o trabalho dele estaria dividido no antes e no depois desse livro. Confesso, humildemente (pois pode existir humildade no orgulho), que fiquei orgulhosa com o que ouvi. Logo pensei: a Bahia é uma terra rica em sabedoria e, no que diz respeito ao reino vegetal, os negros escravos nos deixaram uma rica herança, que está mais no que na hora de usá-la para o bem de todos.

Este artigo é, pois, dirigido aos paisagistas e arquitetos, não só para agradecer a presença deles no lançamento do livro, como também para convidá-los a criar um tipo de paisagismo específico da Bahia, onde a grande sabedoria das plantas típicas do território baiano possa ser transmitida para os moradores de casas e condomínios, frequentadores de praças, etc.

Aqui seguem alguns exemplos de plantas possíveis de decorar casas e jardins, cujas energias transmitem poderes específicos para o corpo e a mente: folha-da-costa fornece o aprendizado do silêncio e do amadurecimento; batata-doce dá equilíbrio à cabeça; nativo abre os caminhos de quem busca purificação, coragem e liberdade; bambu desperta o deprimido, protegendo-o da excitação; cana-de-macaco nos torna mais maleáveis para que evitemos desavenças desnecessárias e desequilíbrios psíquicos.

Visando fazer com que nossa Bahia seja ainda mais conhecida pela sua criatividade e cultura própria, peço a meus leitores que conheçam algum paisagista, decorador, arquiteto que nos ajudem nesta nova empreitada.

Mãe Stella escreve para  o jornal A TARDE, quinzenalmente, às quartas-feiras   

Tags: , , , ,

Deixe seu comentário