Irmandade dos Pretos celebra Nossa Senhora do Rosário

postado por Cleidiana Ramos @ 11:40 AM
22 de outubro de 2010

Irmandade do Rosário dos Pretos festeja sua padoreira. Foto: Claudionor Júnior| Ag. A TARDE

A Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos já está celebrando a sua padroeira, mas o ponto alto será neste domingo com a missa, seguida de procissão, às 10 horas.

É bom lembrar que a missa acontecerá na Igreja do Carmo, pois a que pertence à irmandade, na Ladeira do Pelourinho, está em reforma.

Na segunda-feira acontecerá a missa em homenagenagem aos antepassados às 9 horas. A missa de terça-feira, às 18 horas, encerra os festejos.

A irmandade que está comemorando 325 anos tem uma belíssima história de resistência. Formada originalmente por escravos vindos da região onde hoje estão Angola e Congo, a associação cumpria fins que hoje podem ser definidos como previdênciários, pois garantia pensão para os familiares dos seus associados em caso de morte ou invalidez. Além disso tinha um fundo pecuniário para compras de aforria.

Uma outra das muitas histórias interessantes sobre a irmandade: eles servem durante o aniversário um bacalhau com toucinho. O costume é resultado do escudo que  representantes da irmandade usaram contra acusações perigosas, e que poderiam levar à morte ou deportação, de que teriam acobertado os participantes da Revolta dos Malês em 1835. A ideia era mostrar, ao comer porco, que não eram islâmicos.


Balaio de Ideias: 325 anos do Rosário dos Pretos

postado por Cleidiana Ramos @ 9:37 PM
28 de setembro de 2010

Artigo celebra história da Irmandade do Rosário dos Homens Pretos. Foto: Fernando Vivas | Ag. A TARDE| 28.10.2007

Jaime Sodré

Não sabemos se por auto-definição remetente à África, os “homens pretos” queriam ser tratados como tal, “pretos”, ou por imposição típica da época em que pretos eram apartados dos brancos, ou pelo fato da impossibilidade de freqüentar a “Igreja dos brancos”. Eles queriam uma igreja só para si, “irmandade de pretos” “bi-pertencial” e caridosa.

Assim nascera a Venerável Ordem Terceira Nossa Senhora às Portas do Carmo – Irmandade dos Homens Pretos de Salvador. O franciscano Frei Jaboatão demonstrara o interesse dos “pretos” nas Irmandades, sendo as mais requeridas as de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito, “o santo preto de Palermo” informa Renato da Silveira. Frei Agostinho de Santa Maria notificou a existência de 27 imagens de devoção pública e a existência de doze irmandades de “homens pretos”, forros e cativos. Para Antonia Quintão, São Benedito fora o santo preto de maior prestígio, junto a outros “pretos”, como Santa Efigênia, Santo Elesbão, Santo Rei Baltazar e Santo Antonio de Categeró.

As irmandades eram espaços étnicos, associativos, “previdenciários”, local de construção e manutenção de uma identidade “negro-preta”. Eram instaladas em templos seculares ou conventuais, abrigando confrarias, como os altares laterais da Conceição da Praia, que entre outras, resguardava a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário “dos Brancos”, a de São Benedito e Nossa Senhora do Rosário, “dos Pretos”.

Os compromissos definiam a especificidade dessas agremiações, de vínculos corporativos, profissionais, de gênero ou origem, lembra Maria Helena Flexor. Algumas requeriam “pureza de sangue”, ou seja, não admitindo judeu, mouro, índio, negro ou qualquer outra “raça infecta”. Informa Silveira que a Ordem Terceira de São Francisco e Irmandade dos Santos Passos de Cristo, instalada no Convento do Carmo, exigia esta “pureza”. A devoção de Nossa Senhora do Rosário, prestigiada junto aos pretos, cativos e forros, concentrada na antiga Catedral da Sé, remonta ao século XVII. Segundo Frei Agostinho, era “bem mais antiga do que a Senhora do Amparo dos Pardos livres”. A do Rosário dos Pretos tinha o seu compromisso datado de 1685 e entre os anos de 1703 a 1704 iniciara a construção da sua Capela às Portas do Carmo. Outras Irmandades de pretos foram criadas, destacando a de Santo Antonio do Categeró e a de São Benedito da Paria.

Definidas como associações de caráter religiosas leigas, estas confrarias, incentivadas pela Igreja, eram espelhadas em devoções que nos remetem a Portugal, extrapolavam o universo religioso, destacando os seus aspectos recreativo, social, de prestígio e valores da africanidade, ajuda aos enfermos e carentes, funerais, alforria e contra os maus-tratos aos escravos.

Não é a toa que a Irmandade dos Pretos de Salvador tenha como articuladores e construtores do seu templo os oriundos de Angola, onde desde o século XVII já existia naquela localidade uma Igreja do Rosário e imagem de São Benedito. As Irmandades tinha vinculações étnicas: Nossa Senhora dos Remédios era da Costa da Mina; do Senhor Bom Jesus das Necessidades do povo jeje; Barroquinha dos jeje-nagô. Eram espaços das relações entre as culturas européias e africanas, funcionando na preservação e difusão da experiência africana, legitimação da comunidade, reação às coerções católicas, mas também local de controle desta própria Igreja.

A mesa diretora era dirigida pelos da “raça”, visto que o Compromisso de 1820 pedia o afastamento dos brancos da mesma. Em 1769 fora ordenada por um compromisso aprovado por Lisboa, no ano 1781 elevada à categoria de Ordem Terceira. A irmandade requereu o atual terreno e heroicamente construiu a sua Igreja, que tem no seu Altar-Mor Nossa Senhora do Rosário. Parabéns à Mesa Administrativa que tem com Prior o competente Julio César e uma homenagem especial a D. Nolair, a mais idosa Visitadora. À Fundação Palmares: precisamos digitalizar a importante documentação da Irmandade, já sob ação de vândalos travestidos de pesquisadores. “Pesquisadores? Yayá me deixe”.

Jaime Sodré é historiador, professor universitário e religioso do candomblé


Seminário celebra aniversário de irmandade do Rosário

postado por Cleidiana Ramos @ 5:10 PM
15 de setembro de 2010

Irmandade do Rosário dos Homens Pretos preserva história de resistência. Foto: Fernando Vivas |Ag. A TARDE

A importante Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos está comemorando o seu aniversário de 325 anos com um seminário que vai começar amanhã e prossegue até sábado. O encontro é na Biblioteca Pública do Estado da Bahia, localizada nos Barris.

Atenção para o horário: amanhã e sexta será das 18 às 20 horas e no sábado das 8 horas ao meio-dia.

A irmandade é um grande marco da resistência contra a escravidão. Fundada por escravos e libertos vindos da área onde hoje está Angola desempenhava a função de previdência e, principalmente, de administração de um fundo para a compra de alforrias.

A sua história envolve várias belas passagens e está também ligada ao surgimento de outras associações como a Sociedade Protetora dos Desvalidos e a Irmandade de Nosso Senhor dos Martírios, que ficava na Igreja da Barroquinha e onde, possivelmente, surgiu a Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte.

O seminário é uma excelente oportunidade para ouvir estas e outras histórias.  Clique aqui para conferir o blog da Irmandade.


Domingo tem festa para São Roque e Caminhada Azoany

postado por Cleidiana Ramos @ 4:25 PM
14 de agosto de 2009
São Roque tem forte associação religiosa com divindades dos cultos afro-brasileiros. Foto: Matheus Magenta | AG A TARDE

São Roque tem forte associação religiosa com divindades dos cultos afro-brasileiros. Foto: Matheus Magenta | AG A TARDE

Neste domingo em Salvador tem manifestação religiosa com um forte acento afro-brasileiro. É o dia da festa para São Roque, que alcançou uma grande popularidade na cidade por conta da sua associação com divindades como Obaluaê,  e também da  Caminhada Azoany. 

No Santuário de São Roque e São Lázaro (Federação), tem missa às 7 e às 9 horas (esta com elementos da cultura afro-brasileira). A missa solene será às 15 horas, seguida de procissão.

Já a programação da 11ª edição da Azoany começa às 9 horas com uma missa na Igreja do Carmo, Pelourinho, onde atualmente está sediada a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A igreja da irmandade está em reforma. As missas com a participação da confraria, como será o caso desta, tem um belíssimo rito inculturado, ou seja com elementos da cultura afro-brasileira. Logo após a missa tem a concentração na Praça do Reggae. A saída está marcada para às 13 horas, embalada pelo afoxé Kori Efan.

A caminhada segue para encontrar a procissão de São Roque. Para saber mais sobre a Azoany tem um post sobre ela aqui . Outra opção é  blog oficial da caminhada, que você acessa clicando neste espaço.